Acadêmicos da Rocinha se dispõe como posto de distribuição de cestas básicas

Acadêmicos da Rocinha se dispõe como posto de distribuição de cestas básicas

Passistas da Acadêmicos da Rocinha emplacam projeto com aulas de samba propondo inserção social para a comunidade 

Idealizado pelo Diretor da Ala de Passistas, Pedro Telles e apadrinhado por Patrick Carvalho e Aldione Senna, o projeto “Realmente…Samba Rocinha!” tem como objetivo incentivar e ensinar a todos a arte de sambar 

Mostrando que o samba sempre será uma fonte de inclusão social, a ala de passistas da Acadêmicos da Rocinha vem mais uma vez inovando e mostrando que o samba tem o dom de transformar vidas. Dessa vez, proporcionando para toda a comunidade um projeto de aulas de samba, tendo Pedro Telles e mais 4 passistas como instrutoras.

Com apenas 28 anos de idade, Pedro Telles iniciou sua trajetória no carnaval ainda criança, na ala mirim da Unidos do Porto da Pedra, escola de samba de sua cidade natal. Com muito orgulho de poder retornar à Princesinha da Zona Sul e mostrar seu trabalho, o Diretor da Ala de Passistas expressa que o conceito do projeto vai além da dança, e sim uma comoção social.

“O samba é uma inclusão social, ultrapassa fronteiras e nos une! Tenho passistas que fazem muitos shows e participam de grandes eventos em vários lugares. Inclusive, uma de nossas instrutoras do projeto, faz parte de grandes espetáculos do Mestre Patrick Carvalho, que é um grande amigo e padrinho do nosso projeto.” afirma Pedro.

O projeto, que é apadrinhado por ícones da dança no carnaval como Patrick Carvalho e Aldione Senna, vem afirmando que, a dança vai muito além de diversão. Os “dindos” do Realmente…Samba Rocinha!”, falam sobre a importância que é ter projetos sociais que enaltecem a arte e demonstram tamanha satisfação em poder fazer parte dessa equipe.

“Ser padrinho de um projeto  tão  mágico  é  a responsabilidade de ser padrinho de sonhos, e é assim que vou trabalhar com eles, sendo exemplo  de sonhos! Esse convite vindo desse grande gênio da arte do samba, o Pedro Telles, é uma responsabilidade gigante.” afirma o Coreógrafo.

“Avante a torcida da dinda é imensa pois vi esse projeto desde quando ainda estava no papel. Ver o caminho que estão tomando, só me dá orgulho porque a dança transforma vidas!” declara a ex passista.

O samba é uma arte para todos!

Ganhador de prêmios em categorias como: inclusão social e melhor ala de passistas, o Gonçalense mostra que não foi premiado à toa! Sempre inovando e mostrando que o samba é uma arte para todos sem nenhuma distinção, Pedro apresenta a importância de ter Angell Araújo, uma mulher trans de 29 anos que iniciou sua vida na dança através do ballet, onde proporcionou a ida para a escola Mirim da Acadêmicos da Rocinha, e alguns anos depois virou passistas.

“Acredito que a escola de samba também me ajudou a eu ir me descobrindo e colocando pra fora a mulher que sou hoje, a primeira passista transgênero da Acadêmicos da Rocinha, a escola me recebeu muito bem, os meus amigos da ala me deram total apoio, e hoje é minha paixão.” afirma a Professora de dança e teatro.

“Uma das gratas surpresas é termos a primeira monitora trans dentro do projeto desenvolvendo o trabalho! Acompanhei toda a transição da Angell e sou um dos primeiros que apoiou a mesma a ser quem é hoje!” conta Pedro, que além de exaltar o seu orgulho em poder dar oportunidade mostrar a relevância da inclusão do público LGBTQIA+ em sua nova empreitada, também exalta a importância a valorização das meninas da comunidade da Rocinha, que é o caso das instrutoras Tatiana Rosa de 27 anos, que hoje vive de sua arte e trabalho como Professora de dança e as estudantes Alessandra Martins de 20 anos e Manuela Damata de 16 anos, que se tornaram instrutoras do projeto.

“Comecei no samba com 6 anos na Acadêmicos da Rocinha, através de um panfleto convidando as crianças para fazer parte da escola Mirim da Borboleta Encantada, e foi ali que eu tive a chance de conhecer a cultura popular brasileira. Tenho como motivação, em primeiro lugar, o amor à escola, e com isso vem a esperança e certeza que, assim como a minha vida mudou, pode mudar a vida de outras crianças e jovens também.” declarou Manu.

Enaltecendo a escola e mostrando a relevância que as escolas mirins levam para o futuro dos jovens, assim como Manu, a jovem Lelê fala sobre como a dança chegou em sua vida.

“Desde pequenininha frequentei a quadra com a minha mãe, mas foi aos 9 anos de idade que entrei na escola Mirim Borboleta Encantada, mas antes de ir para a escola mirim, já acompanhava minha mãe que já era passista da escola. O amor pela escola é o que me move, e quando se dança com amor tudo se encaixa, tudo flui, e com a Rocinha não é diferente, minha motivação é ver minha escola brilhar”

Vivendo da sua própria arte, o samba virou sua profissão! Nascida e criada na comunidade da Rocinha, Tati Rosa expõe sua gratidão por projetos sociais e os benefícios que isso trouxe para sua vida.

“Minha vida na dança começou aos 6 anos de idade na Cia Livre de Dança da Rocinha e graças a projetos como estes, hoje sou dançarina de show internacional, coreógrafa e instrutora de samba no pé, dança de salão, fundadora do projeto SambAvista Rocinha. Acadêmicos da Rocinha é a escola que representa a comunidade onde nasci e cresci, eu sou Rocinha de coração!” declara a Professora de dança.

Com esperança de levar um novo olhar para jovens e adultos que amam arte da dança, Pedro exalta suas instrutoras e as colocam como exemplo de quem todos são capazes.

“Tatiana Rosa, um reforço mais do que pesado! Traz uma bagagem de samba e dança absurda, já viajou para diversos países levando a arte do samba, participou de grandes eventos e hoje faz parte de grandes espetáculos. Minhas meninas, apesar de já estarem crescidas, são duas preciosidades, Alessandra e Manuela até hoje, mesmo na ala de passistas adultas, agrega seus conhecimentos e desenvolvendo para as crianças da comunidade! Apesar de novas elas já vem com a bagagem muito bem abastecidas.” afirma Pedro, que fala também da satisfação de voltar para agremiação e podendo estreitar ainda mais o laço da escola com a comunidade.

“Mostrar um novo projeto de samba no pé com uma nova filosofia de trabalho, trazendo monitores, que são da própria ala de passistas  é incrível! Eles são as sementinhas que um dia foram plantadas e hoje estão querendo plantar novas sementes! Muito me orgulha, é isso que a comunidade precisa!”

Serviços do projeto “Realmente…Samba Rocinha!”

Local das inscrições e das aulas: R. Bertha Lutz, 80 – Rocinha, quadra da escola.

Dias: Terças e Quintas.

Horário: Das 20h às 21h.

Compartilhar

Paulo Costa

%d blogueiros gostam disto: