Nota de Luto: Vila Isabel lamenta a morte de Elza Soares

É com imenso pesar que a Unidos de Vila Isabel lamenta profundamente a morte do ícone da música brasileira, Elza Soares. A cantora, carinhosamente apelidade de “mulher do fim do mundo”, partiu nesta quinta-feira, aos 91 anos, por causas naturais. A notícia foi divulgada publicamente pelos familiares dela.
É inquestionável o legado artístico que Elza deixa para o Brasil e para o mundo. Sempre a frente de seu tempo, ela enalteceu, por meio de seus versos, o poder das mulheres pretas e, assim, tornou-se um ícone da representatividade negra do Brasil.
Não à toa, em 2020, após ser homenageada em plenos 89 anos pela Mocidade Independente de Padre Miguel na Marquês de Sapucaí, Elza acabou indevidamente ameaçada de exclusão da galeria de personalidades negras notáveis mantida pela Fundação Palmares, ligada ao governo federal. O ataque representou uma reação indevida à importância de Elza na luta antirracista e também mirou Martinho da Vila, presidente de honra da nossa azul e branca e figura central de nosso enredo para o Carnaval deste ano.
Elza, aliás, já emprestou a própria voz para uma regravação da canção “Madalena do Jucu”, uma das composições mais famosas de Martinho (do refrão “Madalena, Madalena. Você é meu querer (…)”). Incluída no projeto “Sambabook”, capitaneado pelo músico, a faixa está disponível na internet e eterniza o laço entre as potências artísticas de ambos.
A Vila, falando por sua diretoria e componentes, agradece imensamente a Elza, Deusa da música, pela dedicação à arte e à sociedade brasileiras. Enviamos solidariedade e carinho aos parentes da cantora, bem como aos amigos e fãs. E ao povo da Mocidade Independente.
Salve, Elza!