Helena Theodoro e Vilma Melo são homenageadas pela Paraíso do Tuiutí

Spread the love

Crédito da Fotos: Divulgação
 
Helena Theodoro e Vilma Melo são homenageadas pela Paraíso do Tuiutí

As duas são referências negras em suas áreas de atuação

A Ala das Passistas da Escola de Samba Paraíso do Tuiutí fará uma homenagem à doutora em filosofia, Helena Theodoro, e à atriz, Vilma Melo, no Dia da Consciência Negra, próximo domingo (20), às 14h, na quadra da Escola, no bairro de São Cristóvão.

Helena Theodoro é doutora em filosofia e seus textos inspiraram o monólogo “Mãe de Santo”, protagonizado por Vilma Melo. Na peça, Vilma interpreta uma e, ao mesmo tempo, várias mulheres pretas. Vilma, por sua vez, é professora e atriz, com trabalhos em cinema, teatro e televisão.

A peça “Mãe de santo” busca ressignificar e enaltecer o poder da mulher preta na condução de suas comunidades e fará temporada de um mês – de 25 de novembro a 18 de dezembro – no Teatro Laura Alvim, em Ipanema, com apresentações de sexta a domingo.

A homenagem é realizada por conta dos trabalhos desenvolvidos, tanto dentro do samba quanto pela representatividade que cada uma passa para as novas gerações. Helena Theodoro é referência dentro do samba e na área acadêmica. Já Vilma Melo representa a possibilidade de alçar vôos para as jovens negras das comunidades cariocas.

Para Alex Coutinho, coordenador da ala de passistas e um dos idealizadores da festa, a homenagem vem para complementar o currículo de cada uma delas, que já possuem notoriedade profissional. “Helena Theodoro é uma pessoa ímpar, com uma história de vida brilhante, de luta, de garra. Acreditamos que todas as famílias precisam ouvir essa mulher, esse ícone falando”, afirma.

Além disso, ele também ressalta a importância de Vilma Melo para as artes no Brasil. “Vilma é consagrada no teatro e vem chegando na TV com toda força. Ela vem dizer o que é a luta de ser negro, a diferença racial, a diferença de valores financeiros, entre cor, entre raça, e pode inspirar os passistas que estão chegando. Normalmente, o passista não é só da escola de samba, ele estuda, trabalha, precisa de um incentivo para saber que vale a pena”, completa.

 Quem são

Helena Theodoro é Bacharel em Ciências Jurídicas e Sociais pela Universidade Federal do Rio de Janeiro (UFRJ), graduada em Pedagogia pela Faculdade de Educação da Universidade do Estado do Rio de Janeiro (Uerj), mestra em Educação pela UFRJ e doutora em Filosofia pela Universidade Gama Filho. Em 2019, terminou o pós-doutorado no IFCS/UFRJ /PPGHC (Programa de Pós Graduação em História Comparada). Foi presidente do Conselho Deliberativo do FUNDO ELAS e coordenadora do Comitê Pró-equidade de Gênero, Raça e Etnia da Casa da Moeda do Brasil até junho de 2016.

Atuou como professora auxiliar da Universidade Estácio de Sá, tendo sido coordenadora da Pós-graduação de Figurino e Carnaval da Universidade Veiga de Almeida (UVA), de 2010 a 2015. Participou da comissão julgadora nas edições de 2011, 2012 e 2013 do Prêmio Nacional Jornalista Abdias Nascimento, produzido pelo Sindicato dos Jornalistas Profissionais do Município do Rio de Janeiro/Cojira-Rio. Foi vice-presidente do Conselho Estadual dos Direitos do Negro – CEDINE. Exerceu a vice-presidência do Fundo ELAS, de 2008 a 2015, tendo sido jurada do Estandarte de Ouro do jornal O Globo durante 27 anos. Coordenou o Núcleo de Estudos Afro-brasileiros (NEAB) da FAETEC de 2008 a 2013. Escreveu os livros “Mito e Espiritualidade: Mulheres Negras” (1996), “Os Ibéjis e o Carnaval” (2009), “Caderno de Cultura Afro-brasileira” (2009), “Iansã, rainha dos ventos e tempestades” (2010) e “Martinho da Vila – Reflexos no Espelho” (2018).

Vilma Melo é Professora, atriz com atuações em teatro, cinema e televisão. No teatro, ganhou o Prêmio Shell de Melhor Atriz por “Chica da Silva”, em 2017 – primeira mulher negra a conquistar a categoria de melhor atriz no Prêmio Shell; o Prêmio Cenym de Melhor Atriz Coadjuvante em “A Vida de Billie Holliday”; Prêmio Aplauso Brasil de Melhor Elenco em “Fulaninha e Dona Coisa”; e Prêmio de Melhor Atriz Coadjuvante do Festival de Teatro de Campos por “O Romance do Pavão Misterioso”. Indicada aos prêmios CBTIJ e Botequim Cultural como Melhor Atriz por “Marrom, Nem Preto, Nem Branco?” e ao Prêmio Cesgranrio e Botequim Cultural como Melhor Atriz por “Chica da Silva”. No cinema, fez os longas “Três verões”, de Sandra Kogut e Regina Casé; “Campo Grande”, de Sandra Kogut; “Selvagem”, de Diego da Costa (a estrear) e “Reação em cadeia”, de Márcio Garcia. Na TV, fez a série “Segunda chamada”, da TV Globo; a quarta temporada de “PSI”, da HBO; “Baile de máscaras”, do Canal Brasil; “Teatro no ato”, direção de João Falcão, do Arte 1 (a estrear); e “Cinema de enredo”, do Prime in Box. Fez parte do júri do Prêmio CBTIJ de Teatro para Infância e Juventude 2020.


Spread the love