ÚLTIMAS NOTÍCIAS

A Mudança

2016 – Este carnaval foi atípico sob todos os aspectos não desfilei em nenhuma escola. Fiquei durante todo o período carnavalesco observando de um novo ângulo como funciona a engrenagem da maior festa do Rio de Janeiro, assisti o desfile do grupo de acesso na arquibancada, quando reparei de forma diferenciada o funcionamento de desfile.

Curiosamente desta vez ao assistir o desfile percebi uma diferença, pois não era desfilante. Depois de todo este tempo a rotina de assistir, desfilar e voltar assistir estava quebrada.

Tive várias oportunidades de conversar com diversos amigos desfilantes e pensar nos diferentes mundos que cercam a infraestrutura apresentada para organização, incluindo os ensaios técnicos.

Curiosamente meu irmão Edson também não estava na avenida, desta forma foi o primeiro ano sem a presença de nossa família na avenida como desfilante.

 Mangueira

 A Estação Primeira de Mangueira última escola a desfilar com uma grande apresentação lembrou, dos seus áureos anos na avenida. Novato na Verde e Rosa o carnavalesco Leandro Vieira desenvolveu o enredo “A Menina dos Olhos de Oyá”, uma grande homenagem à cantora Maria Bethânia pelos seus 50 anos de carreira.

Com fantasias impecáveis e acabamentos perfeito demonstrado nos primeiros setores do desfile, não lembravam as dificuldades financeira que a escola apresentou nos últimos anos.

A comissão de frente apresentou 15 integrantes femeninas com os seios nus representando Oyá (Iansã), orixá relacionado à sensualidade e à valentia. Ainda na comissão um grandioso abre-alas em dourado, que espirrava água em um destaque que simbolizava Oxum, outro orixá muito presente na vida de Maria Bethânia.

A parte musical teve num dos elementos o “Carcará”, um dos primeiros sucessos de Bethânia. Agradou muito também a alegoria “Abelha Rainha”, na qual a coloração pendia para o amarelo, com muito brilho e iluminação, e diversos artistas desfilaram como Caetano Veloso, irmão de Bethânia, Ana Carolina, Zélia Duncan, Regina Casé e Lúcia Veríssimo.

Emocionada, Bethânia desfilou ao lado de duas afilhadas na última alegoria, que era o céu de lona verde e rosa pela canção “Circo”. Esse elemento, como o nome dizia, utilizou mais as cores da Mangueira do que no restante do desfile. Mas a divisão cromática proposta por Leandro Vieira deu muito certo, pois ele pontuou o verde e o rosa da escola.

A porta-bandeira Squel esposa de Leandro Vieira, Além da grande atuação ao lado do mestre-sala Raphael, ela usou uma touca de látex que dava a nítida impressão que ela estava careca para representar uma yaô, filha de santo. Além disso, o figurino era extraordinário.

Mesmo com mais de 4 mil componentes, a Mangueira desta vez não teve problemas no quesito Evolução, e as alas comerciais, que no começo do desfile não passaram cantando bem, cresceram do meio para fim da pista.

O samba-enredo era de excelente qualidade e funcionou muito bem para o desfile, que já começou bom, mas foi conquistando o público aos poucos e proporcionou um final maravilhoso, com a Apoteose gritando “é campeã” e muitos invadindo a pista no arrastão da alegria.

 Tuiutí

 Com o enredo “A Farra do Boi” do carnavalesco a Paraíso do Tuiutí foi campeã da série A do Carnaval do Rio de Janeiro, segunda escola a desfilar na noite de segunda-feira. O enredo fez uma viagem para Juazeiro do Norte, no Ceará com o propósito de contar o “causo” do boi que virou santo, depois de ser dado de presente para o Padre Cícero.

Ao contar a história do boi milagreiro, a Tuiuti apresentou alegoria com desenhos arrojados como o carro vazado dando uma versão moderna para a história.

O primeiro casal de mestre-sala e porta-bandeira representou o lobisomem e a pisadeira.

Destaque para as estreantes, Alice Alves que desfilou com uma fantasia que muitos avaliaram em cerca de R$ 72 mil. E Carol Marins mostrou a força da comunidade em sua primeira vez como rainha de bateria.

Carol Marins trabalhou como aderecista no barracão da escola. Irmã do diretor de barracão da Tuiuti, Renato Marins. Ele faz questão de ressaltar que essa é a principal característica da agremiação: é uma escola família.

Para ter disposição para o desfile, Carol Marins encarou uma rotina rígida. “Eu malhei bastante e tive uma dieta bem regrada para aguentar o pique de passar pela Sapucaí”.

Mesmo estando em um posto importante, ela não se deslumbra com o sucesso e não considera que seja mais significativa do que qualquer outro integrante da escola. “Eu sigo participando da escola. Com a mesma humildade”, afirmou a rainha.”

 Aconteceu no Carnaval

2016 – Quando os desfiles iam começar, chegou à Sapucaí a notícia de que o jurado Fabiano Rocha, de Bateria, não havia aparecido. Como manda o regulamento, na ausência de um julgador, a maior nota de cada escola no quesito seria repetida. O caso ganharia proporções muito maiores depois da apuração…

2016 – Com seu 19º campeonato, a Mangueira não só ficou a apenas duas conquistas de empatar com a Portela como a maior campeã do carnaval carioca, como se tornou a única agremiação com títulos em todas as décadas desde o começo dos desfiles oficiais: 30 (1932, 1933, 1934 e 1940), 40 (1949 e 1950), 50 (1954 e 1960), 60 (1961, 1967 e 1968), 70 (1973), 80 (1984, supercampeonato, 1986 e 1987), 90 (1998), 2000 (2002) e 2010 (2016).

2016 – Após a conquista da Mangueira, o cantor Ciganerey deu entrevista ao repórter Caio Barbosa, de “O Dia” ainda no enterro de Luizito um outro intérprete não estava nada preocupado com o que estava acontecendo ali, mas sim com a vaga na Mangueira: “O que tem de carcará não está no gibi. No enterro do Luizito, a gente estava velando o amigo, pô, e chegou um puxador que todo mundo sabe quem é, nem cumprimentou ninguém, não foi no caixão, só queria saber do Chiquinho. Ficou todo mundo olhando.” Quem seria o carcará?

2016 – O cantor Leandro Santos era o intérprete oficial da Estácio de Sá ao lado do veterano Dominguinhos, mas os dois foram dispensados para dar lugar a Wander Pires, com o samba já escolhido. Leandro acertou com a Paraíso do Tuiuti para ser o puxador oficial e ainda com a Mangueira para atuar como apoio de Ciganerey. Com isso, o cantor acabou conquistando dois campeonatos no mesmo ano. Ainda deu uma ‘palhinha’ na frisa do editor chefe (foto), durante o desfile do Acesso.

2016 – Já Wander Pires acabou rebaixado com a Estácio e logo depois foi anunciado pela Mocidade Independente de Padre Miguel. Seria a quinta passagem do cantor pela Verde e Branco como voz principal (as outras foram de 1994 a 1999, 2002, 2006 e 2009).

 2016 – A cantora Cláudia Leitte anunciou após o Carnaval que não seria mais a rainha de bateria da Mocidade. Logo depois, a escola tentou colocar a funkeira Anitta como nova rainha, mas as inúmeras exigências feitas por ela não agradaram à direção da escola. Por fim, circulou na mídia a informação de que a Verde e Branco teria chegado a um acordo com a atriz Deborah Secco. A escola desmentiu a informação.

 2016 – Ainda falando em Mocidade, a gloriosa escola de Padre Miguel chegou ao seu vigésimo desfile sem título e ao 13º carnaval consecutivo sem conseguir sequer uma vaga no sábado das Campeãs. Desde a quinta posição em 2003, a escola chegou três vezes em sétimo (2010, 2011 e 2015), duas em oitavo (2004 e 2008), três em nono (2005, 2012 e 2014), duas em décimo (2006 e 2016) e três em 11º lugar (2007, 2009 e 2013). Mas em 2017, a Estrela-Guia lavaria a alma de seus torcedores com um enredo sobre Marrocos e, após ter ficado com o vice-campeonato na apuração, a escola foi declarada campeã com a Portela após equívoco de um jurado que despontuou a Verde e Branco.

 2016 – Pelo segundo ano consecutivo, a TV Globo deixou de transmitir ao vivo a primeira escola de cada dia (Estácio de Sá e Vila Isabel) e apenas exibiu um compacto delas após os últimos desfiles. As primeiras exibições só passaram ao vivo no portal G1 e uma situação embaraçosa no desfile da Vila mostrou que até mesmo entre os narradores, esse esquema tem problemas. Quem via o desfile pelo G1 percebeu que os apresentadores pararam de falar para que se fizesse a manobra de entrada da transmissão da TV. Mas houve indecisão sobre como a transmissão deveria ser conduzida a partir dali e esse áudio vazou: Faltam duas alegorias. Isso não vai ser narrado pra Globo? Pro compacto?”, perguntou Luiz Roberto. Aparentemente, o controle da transmissão respondeu “não”, e Fátima emendou: “Nossa, se o compacto ficar sem esse final vai ficar muito estranho, gente.” Luis insistiu: “Vamos repassar essa ideia, não tô entendendo.” Fátima voltou a comentar que ficaria estranho começar a transmissão com a Vila ainda na pista: “Mas faltam 20 minutos, a concentração do Salgueiro ainda não tá montada, gente…”.

 2016 – Com o tempo de desfile controlado, a Mangueira ainda encerrava sua passagem com a bateria fazendo uma exibição para o público da Apoteose, quando a transmissão da Globo já fazia entrevistas com os principais personagens do desfile. Foi quando Tiago Leifert entrou em pânico ao ver muita gente desfilando atrás da bateria dizendo que ainda tinha muita escola para passar em poucos minutos. Era na verdade o povão no arrastão da alegria…

 2016 – Paulo Barros não gostou nada nada de críticas que recebeu após o desfile da Portela e usou as redes sociais para responder de fogrma agressiva. A Milton Cunha, que comentou os desfiles pela Globo e criticou o fato de o abre-alas ter joado água na pista e atrapalhado o casal de mestre-sala e porta-bandeira, Barros escreveu: “Se limite a comentar sobre tons de plumas, faisões de um metro, paetês, brilhos e outras frescuras (…) fique quietinho num canto quando fora falar sobre a execução de processo de criação de alegoria. Fique tranquilo porque a culpa não é sua. A culpa é da Globo que entrega o microfone para qualquer um comentar”. À Rádio Globo, Milton respondeu: “A bicha que só entende de plumas não é menor que quem entende de projetos de alegoria”. Ao rebater colocações dos jornalistas Fábio Fabato e Rachel Valença sobre a fantasia das baianas, o carnavalesco foi ainda mais longe e os insultou: “Quer dizer que tinha ‘comentarista’ nas Campeãs falando que a ala das baianas não traduzia o Túnel do Tempo? Se alguém descobrir os nomes dos recalcados e invejosos poderiam me passar os nomes? Adoro dar nome aos bois, isto é, as antas (sic) Há uma grande diferença entre não gostar e dizer que estava errado. Fica claro que é pessoal! Se duvidar, não sabem nem onde fica a Cidade do Samba!”.

 O carnaval de 2016 teve o seguinte resultado: Grupo Especial (LIESA) Passarela do Samba – 07 e 08/02

 Estação Primeira de Mangueira com enredo “Maria Bethânia: A Menina dos Olhos de Oyá” com 269,8 pontos Campeã, Unidos da Tijuca com enredo “Semeando Sorriso, A Tijuca Festeja o Solo Sagrado” com 269,7 pontos Vice-Campeã (1), Portela com enredo “No Voo da Águia, uma Viagem sem Fim…” com 269,7 pontos em Terceiro (1), Acadêmicos do Salgueiro com enredo “A Ópera do Malandro” com 269,5 pontos, Beija-Flor de Nilópolis com enredo “Mineirinho Genial! Nova Lima, Cidade Natal. Marquês de Sapucaí, O Poeta Imortal” com 269,3 pontos, Imperatriz Leopoldinense com o enredo “É o Amor… Que mexe com minha cabeça e me deixa assim…” com 269,2 pontos, Acadêmicos do Grande Rio com enredo “Fui no Itororó Beber Água, não Achei, mas Achei, a Bela Santos, e por Ela me Apaixonei…” com 268,7 pontos, Unidos de Vila Isabel com enredo “Memórias de Pai Arraia – Um sonho Pernambucano, um legado Brasileiro” com 267,9 pontos,São Clemente com enredo “Mais de Mil Palhaços no Salão” com 267,8 pontos, Mocidade Independente de Padre Miguel com enredo ” Sou Cervantes, Sou Quixote Cavaleiro, Pixote Brasileiro” com 265,5 pontos, União da Ilha do Governador com enredo “Olímpico por Natureza…Todo mundo se encontra no Rio” com 265,8 pontos, Estácio de Sá com enredo “Salve Jorge! O Guerreiro na Fé com 265,0 pontos.

Foram rebaixadas para o Grupo de Acesso A (LIERJ) a Escolas: Estácio de Sá

 Grupo: de Acesso Série A (LIERJ) Passarela do Samba – 05/02 e 06/02

 Paraíso do Tuiuti com enredo “A Farra do Boi” com 269,9 pontos Campeã, Unidos de Padre Miguel com enredo “O Quinto dos Infernos!” com 269,2 pontos com Vice-Campeã, Unidos do Viradouro com enredo com enredo “O Alabê de Jerusalém, A Saga de Ogundana!” com 268,3 pontos, Império Serrano com o enredo “Silas canta Serrinha” com 268,3 pontos, Porto da Pedra com enredo “Palhaço Carequinha, Paixão e Orgulho de São Gonçalo. Tá Certo ou Não Tá? Com 267,9 pontos, Acadêmicos do Cubango com enredo “Um Banho de Mar à Fantasia” com 267,8 pontos, Império da Tijuca com enredo “O Tempo Ruge, A Sapucaí é Grande e o Império Aplaude o Felomenal”!” com 267,8 pontos, Renascer de Jacarepaguá com enredo “Ibejpis – Nas Brincadeiras de Crianças: Os Orixás que viraram santos no Brasil…”, com 266,5 pontos, Inocentes de Belford Roxo com enredo “Cacá Diegues – Retratos de um Brasil em Cena” com 266,2 pontos, Alegria da Zona Sul com enredo “Ogum” com 265,9 pontos, União Parque Curicíca com enredo “Corações Mamulengos” com265,6 pontos, Acadêmicos de Santa Cruz com enredo “Diz mata! Eu digo verde. A Natureza veste a incerteza. E o Amanhã!” Acadêmicos da Rocinha com enredo “Nova Roma é Brasil, Brasil é Rocinha” com 263,5 pontos, Caprichosos de Pilares com enredo “Tem Gringo no Samba! “com 262,0 pontos.

 Sobem para o Grupo Especial as Escolas: Paraíso do Tuiuti

 Foram rebaixadas para o Grupo 1 (AESCRJ): Caprichosos de Pilares

 Comentário: 

Para seu comentário ao final do Post utilize o Campo Deixe uma Resposta

 Link para o Facebook:

 https://www.facebook.com/mundocarnaval/

 Referencias: Wikipédia, ourodetolo, g1globo,

Comments (2)

  1. Isso não é um comentário, e sim um depoimento. Vc é um grande conhecedor dessa festa maravilhosa.
    Parabéns!