ÚLTIMAS NOTÍCIAS

A Nova Geração e a Festa no Arraia!

2013 – Neste carnaval estávamos realizando uma comemoração especial, novamente a segunda geração de nossa família teve um triplo aumento. Tivemos a chegada do meu sobrinho Pedro filho do meu sobrinho Márcio e Cristiane e ainda a chegada dos meus netos gêmeos Guilherme e Gustavo filhos de minha filha Raphaela e Marcos.

Quanto nosso envolvimento com esta festa continuamos, o meu irmão Edson em seu segundo ano como Coordenador e Jurado do Município de Nova Iguaçu, eu como ritmista das escolas: Acadêmicos do Grande Rio, Unidos do Viradouro e ainda meu primeiro ano na Inocentes de Belford Roxo.

Que alias já tinha como desfilante parte de minha família pelo lado de minha esposa: meu cunhado Avelino Ribeiro como assessor da presidência, minha cunhada Mariléia (Leinha) como presidente de ala, e ainda minha esposa Mírian, minha cunhada Márcia, meus primos Andressa e Douglas que faz parte da ala de compositores. 

Com relação aos desfiles voltamos a ter uma boa safra de enredos e excelentes sambas. No Grupo especial tivemos a Unidos de Vila Isabel, com o enredo “A Vila Canta o Brasil Celeiro do Mundo, Água no Feijão que Chegou mais Um…” da carnavalesca Rosa Magalhães, com excepcional samba enredo de autoria de: Martinho da Vila, Arlindo Cruz, André Diniz, Leonel e Tunico da Vila, tendo ainda o Anderson Antônio (Tinga) como puxdor.

Na série A tivemos a Império da Tijuca com o enredo “Negra, Perola Mulher” do carnavalesco Junior Pernambucano que apresentou um impecável desfile com um excelente samba-enredo de autoria de Samir Trindade, Serginho Aguiar, Falace Menor e Alexandre Moreira, Roosevelt Martins (Pixulé).

Uma grata surpresa foi apresentada pela Estação Primeira de Mangueira, que fez história com algo inimaginável e inédito em toda história do carnaval: levou para a avenida duas baterias, que se alternavam em alguns momentos, para delírio do público.

Vila Isabel

2013 – Com o enredo “A Vila canta o Brasil Celeiro do Mundo – Água no Feijão que Chegou mais Um…”, a carnavalesca professora Rosa Magalhães com sete premiações, mais uma vez mostrou toda sua competência e toda a sua categoria ao abordar no desfile da Vila a vida no campo. A ótima comissão de frente simbolizou os caixotes de transporte das riquezas do campo para cidade e simulava diferentes situações: uma igreja, o caixote cheio de alimentos, a dança num depósito de lama e um inseto no alimento. Já o imponente abre-alas chamado “O planeta Terra e o Sol” mostrava a importância do sol para as colheitas além do trabalho duro de quem planta e colhe.

A alegoria “Os cumpadres chegaram”, que mostrou como é a casa rural, com quintal, animais e tudo mais. Martinho da Vila, um dos autores do samba-enredo, desfilou naquele elemento vestido com uma roupa típica da roça e chapéu de palha.

Um dos mais belos carros do desfile foi o que mostrou a produtividade do campo, com enormes girassóis. O espetáculo visual das flores se abrindo ficou na retina dos amantes dos desfiles de escolas de samba.

As fantasias não ficaram por menos e eram de facílima leitura, além de serem de excelente concepção e acabamento. Não faltaram animais como galos e gafanhotos, plantas devoradas por pragas e formigas, além das verduras, legumes e flores tão típicas do rico campo brasileiro.

Os ritmistas da bateria, por exemplo, estavam fantasiados de espantalhos e a ala das baianas tinha figurinos representando joaninhas.

O grande samba-enredo funcionou maravilhosamente na avenida e estava na ponta da língua dos componentes e públicos. Os compositores conseguiram contar o enredo com precisão e ainda em diversos momentos de pura poesia como “Agradeço a Deus por ver o dia raiar / O sino da igrejinha vem anunciar” ou “Cai a luz, acende a luz do lampião / A lua se ajeita, enfeita a procissão”.

A tradicional bateria da Azul e Branco também teve uma competente exibição e sustentou o samba com firmeza. Sem descompassos de evolução e com uma harmonia impecável, a Vila encerrou o desfile pouco antes do amanhecer como a melhor escola do ano, pois teve o que todo mundo espera: beleza, samba no pé e eficiência nos quesitos – apesar de alguns problemas de acabamento nas alegorias.

Império da Tijuca

2013 – Com o enredo “Negra, Pérola Mulher”, do carnavalesco Junior Pernambucano, estreante no carnaval carioca, quis lembrar com o enredo os 125 anos da abolição da escravatura no país, a Império da Tijuca exaltou a mulher negra de hoje e do passado na Marquês de Sapucaí.

Sétima escola a desfilar pela Série A Império da Tijuca trouxe para a passarela do samba 2.220 componentes, distribuídos em 23 alas.  As quatro alegorias homenageavam mulheres negras que foram rainhas, guerreiras, escravas, quilombolas, musas, escritoras, cantoras e atrizes em vários momentos da história.

A comissão de frente, formada apenas por mulheres negras representando guerreiras africanas, impressionou pela coreografia, maquiagem e pelas fantasias caprichadas, que incluíam coroas cravejadas de strass. Cada fantasia tinha 400 plumas, mais 60 plumas de faisão na cabeça e 40 na asa. Uma delas usavam rodinhas nos pés, para poder deslizar pela avenida.

Destaque também para a ala das baianas, com fantasias que representavam as Ìyámì, as grandes mães ancestrais africanas. Atrás do carro abre-alas, que representava as belezas naturais da África, veio um grande baobá, árvore que representa a criação da vida humana pela tradição dos yorubás.

Os ritmistas comandados pelo mestre Capoeira vieram, fantasiados de côrte da Negra Chica e tinham à sua frente Laynnara Cristina como rainha de bateria, Pixulé intérprete da escola desde 2009, empolgou o público.

Um dos carros trazia em sua base fotos de mulheres negras de várias idades, moradoras da comunidade do Morro da Formiga. 

 Aconteceu no Carnaval

2013 – Responsável por um dos desfiles considerados mais empolgantes, a Estação Primeira de Mangueira foi a única punida por falhas graves durante a apresentação. Por ter excedido em seis minutos o tempo máximo de desfile, a escola deveria ter cruzado a marca de fim da pista com até 82 minutos, mas verde-e-rosa passou em 1.28 minutos.

2013 – Foi o último ano de Glenda Kozlowsky como âncora dos desfiles do Grupo Especial ao lado de Luís Roberto na TV Globo. Já a Série Ouro teve seus dois dias de desfiles transmitidos pela emissora para o Rio de Janeiro. No comando, os competentes jornalistas Alex Escobar e Mariana Gross.

2013 – Depois do sucesso do samba-enredo da Vila Isabel, o rubro-negro Tunico da Vila fez uma versão para a torcida cantar no Maracanã. Em vez de “Festa no arraiá,/ É pra lá de bom / Ao som do fole, eu e você / A vila vem plantar / Felicidade no amanhecer”, o samba virou “Mengo vai jogar / É pra lá de bom / Ó meu Mengão, eu e você / Flamengo vai vencer / Eu sou Flamengo até morrer”.

2013 – Finalmente Martinho da Vila teve um samba-enredo de sua autoria para a escola do coração coroado com o título do Carnaval. O melhor resultado da escola até então com um samba do Zé Ferreira havia sido conquistado em 1980, quando a Vila dividiu o vice-campeonato com a União da Ilha e Mocidade Independente de Padre Miguel. Vice-campeonato que na verdade foi um quarto lugar, já que houve três campeãs aquele ano.

2013 – Pela terceira vez a Mangueira teve um carro preso na torre de TV. Em 1993 e 1995, uma das alegorias era mais alta e o topo acabou arrebentado para o carro seguir até o fim do desfile. Na primeira ocasião, a parte que prendeu era justamente a do queijo em que estava a apresentadora Angélica.

2013 – A Beija-Flor chegou à 21ª participação consecutiva no Desfile das Campeãs, fato único na história do sambódromo. Em 17 dessas participações a escola de Nilópolis ficou entre as três primeiras colocadas, com sete títulos, seis vices e quatro terceiros lugares.

2013 – A Imperatriz Leopoldinense chamou Wander Pires para se unir a Dominguinhos do Estácio no carro de som, mas o tiro saiu pela culatra. Embora oficialmente ninguém dissesse nada na época, falava-se nos bastidores do samba que o veterano cantor não recebeu bem a chegada do reforço, tanto que ambos cantaram separadamente na avenida. Meses depois do desfile, o patrono Luizinho Drummond dispensou Dominguinhos e manteve Wander: “Quando nós contratamos o Wander Pires a ideia era ter alguém para a ajudar o Dominguinhos até porque ele já teve vários problemas de saúde. Só que ele não aceitou bem e tiveram alguns problemas. Então ficamos com o Wander, que é uma pessoa muita boa e está fazendo um bom trabalho. Foi melhor assim. Mas quero deixar claro que não tenho nada contra o Dominguinhos”. No ano seguinte, Wander Pires seria o único cantor principal e haveria outros problemas.

2013 – A Inocentes de Belford Roxo foi extremamente criticada nas redes sociais ainda pela subida de grupo para lá de contestada em 2012. Alguns mais exaltados e nada amistosos apelidaram a escola de “Indecentes” de Belford Roxo ou “Culpadas” de Belford Roxo em fóruns de internet. Fato é que, mesmo tendo sido rebaixada, a escola fez um desfile digno na sua única passagem pelo Grupo Especial e seu rebaixamento foi considerado até injusto por muitos.

2013– Quem também recebeu críticas antes do desfile foi o Salgueiro. O deputado Marcelo Freixo acusou a escola de apresentar um exemplo de enredo sem relevância cultural e que em casos como esse, no qual houve patrocínio, a escola não deveria receber subvenção do governo. A presidente Regina Celi respondeu em sua página no Facebook e disse: “Não se sabe por que, baseado no que, o rapaz (desculpe, não o conheço, sequer sei sua história política ou qualquer que seja) desferiu suas farpas gratuitas ao nosso enredo. De um universo de 14 agremiações, ele escolheu o Salgueiro para se deliciar. Uma pena”. O deputado tucano Otávio Leite também se meteu e acusou Freixo de querer censurar a escola.

2013 – Em quatro das cinco noites de desfile a Portela teve sambas seus passando pela Sapucaí. Além das reedições da Curicica na sexta e da Tradição no sábado além da própria Portela domingo, a escola mirim Filhos da Águia reeditou a composição de 1980 na Terça Feira Gorda.

O carnaval de 2013 teve o seguinte resultado: Grupo Especial (LIESA) Passarela do Samba – 10 e 11/02

Unidos de Vila Isabel com enredo “A Vila canta o Brasil Celeiro do Mundo – Água no Feijão que Chegou mais Um…”, com 299,7 pontos Campeã, Beija-Flor de Nilópolis com o enredo “Amigo Fiel” com 299,3 pontos, Vice-Campeã, Unidos da Tijuca com enredo “Desceu num Raio, é Trovoada. O deus Thor pede Passagem para Mostrar nessa Viagem a Alemanha Encantada”, com 299,2 em Terceiro, Imperatriz Leopoldinense com enredo “Para o Muiraquitã do Brasil sob a Nudez forte da Verdade, o Manto diáfano da Fantasia” com 298,3 ponto, Acadêmicos do Salgueiro com enredo “Fama” com 297,8 pontos, Acadêmicos do Grande Rio com enredo “Amo o Rio e vou à Luta: Ouro Negro sem Disputa”… “Contra a Injustiça em Defesa do Rio”… com 297,2 pontos, Portela com enredo “Madureira… onde o meu coração se Deixou Levar” com 296,8 pontos, Estação Primeira de Mangueira com enredo “Cuiabá: Um Paraíso no Centro da América!” com 296,5 pontos, União da Ilha do Governador com enredo “Vinicius, No Plural. Paixão, Poesia e Carnaval” com 295,1 pontos, São Clemente com enredo “Horário Nobre”, com 293,5 pontos, Mocidade Independente de Padre Miguel com enredo “Eu Vou de Mocidade Com Samba e Rock In Rio Por Um Mundo Melhor” com 293,5 pontos, Inocentes de Belford Roxo com enredo “As sete confluências do Rio Han 50 anos de imigração da Coreia do Sul no Brasil”.

Foram rebaixadas para o Grupo de Acesso A (LIERJ) a Escolas: Inocentes de Belford Roxo

Grupo: de Acesso Série A (LIERJ) Passarela do Samba – 18/02

Império da Tijuca com enredo “Negra, Pérola Mulher” com 300,0 pontos Campeã, Unidos do Viradouro com enredo “Nem Melhor nem Pior, Que não sai da Minha Mente, Inspiração para o Meu Samba, eu Também sou Diferente” com 299,6 pontos Vice-campeã, Império Serrano com enredo “Caxambu O Milagre das Águas na Fonte do Samba com 299,5 pontos, Estácio de Sá com enredo “Rildo Hora: A Ópera de Um Menino… O Toque do Realejo Rege o seu Destino!” com 299,5 pontos,  Acadêmicos da Rocinha com enredo  “Nova Roma é Brasil, Brasil é Rocinha!” com 299,3 pontos, Caprichosos de Pilares com enredo “Fanatismo… Enigma da Mente Humana” com 299,0 pontos, Unidos de Padre Miguel com enredo “O Reencontro entre o Céu e a Terra no Reino de Alááfin Óyo” com 298,2 pontos, Renascer de Jacarepaguá com enredo “Rio, Uma Viagem Alucinante” com 298,2 pontos, Unidos do Porto da Pedra “Me Diga o que Calças e eu Te Direis Quem És” com 297,4 pontos, Acadêmicos do Cubango com enredo “Teimosias da Imaginação” com 297,0 pontos, União do Parque Curicica com enredo “Quando o Samba Era Samba” com 297,0 pontos,  Paraíso do Tuiutí com enredo “Ao Mestre do Riso com Carinho: As Caras do Brasil” com 296,7 pontos, Alegria da Zona Sul com enredo “Quem não Chora, não Mama… “ com 296,4 pontos, União de Jacarepaguá com enredo “Dos Barões do café à Cidade Universitária, Vassouras, ouro verde do Brasil” com 296,2 pontos, Tradição com enredo “Das Maravilhas do Mar Fez-se o Esplendor da Noite” com 295,8 pontos, Sereno de Campo Grande com enredo “Na Busca da Paz, Equilíbrio e Harmonia. Bem Aventurado sejam os que Ouvem a Voz de Deus” com 295,3 pontos, Unidos do Jacarezinho com enredo
“Puxador, não. Intérprete” com 290,1 pontos, Unidos da Vila Santa Teresa com enredo “Axé No Caminho das Águas Sagradas” com 287,5 pontos.

Sobem para o Grupo Especial as Escolas: Império da Tijuca.

Foram rebaixadas para o Grupo 1 (AESCRJ): Sereno de Campo Grande, Unidos do Jacarezinho, Unidos Vila Santa Tereza.

Comentário: 

Para seu comentário ao final do Post utilize o Campo Deixe uma Resposta

Link para o Facebook:

https://www.facebook.com/mundocarnaval/

Referencias: wikipédia, veja.abril, ourodetolo.