Desfiles das agremiações de escolas de samba do Carnaval do Rio de Janeiro e de São Paulo são adiados para o mês de abril

Por Redação SamBrasil

Após reunião virtual com os prefeitos do Rio de Janeiro, Eduardo Paes e o Prefeito de São Paulo, Ricardo Nunes e secretários da Saúde das duas cidades, além de representantes das duas Ligas de Carnaval, Liesa e Liga SP, ficou definido que os desfiles das agremiações de escolas de samba do Carnaval do Rio de Janeiro e de São Paulo, que acontecem no Sambódromo do Rio e no Sambódromo do Anhembi SP, serão adiados para o mês de abril.

Em nota conjunta, as prefeituras anunciaram que, “sob a orientação de seus secretários de Saúde, optaram por adiar a realização dos desfiles das Escolas de Samba para o fim de semana do feriado de Tiradentes, em abril”.

“A decisão foi tomada em respeito ao atual quadro da pandemia de COVID-19 no Brasil e a necessidade de, neste momento, preservar vidas e somar forças para impulsionar a vacinação em todo o território nacional”, anunciaram Paes e Nunes em nota à imprensa.

Após a reunião, Nunes disse que a decisão foi tomada com a orientação das equipes de saúde e agradeceu à compreensão da Liga das Escolas de Samba.

Paes afirmou que ambos estão acompanhando a evolução da cepa nova do coronavírus e que é “prudente o adiamento”.

Os desfiles das escolas de samba do grupo especial da capital paulista estavam marcados, até então, para 25 e 26 de fevereiro. Já no Rio, seriam realizados em 27 e 28 do mesmo mês.

Já no Rio de Janeiro, o calendário oficial fica assim definido: 20 e 21 (quarta e quinta-feira) desfile do Grupo de Acesso- Série Ouro; 22 e 23 (sexta-feira e sábado) desfile do Grupo Especial; 24 (domingo) desfile das Escolas Mirins; 26 (terça-feira) dia de Apuração e no dia 30 (sábado), Desfile das Campeãs.

No começo de janeiro, as gestões municipais de São Paulo e Rio tomaram decisões parecidas ao cancelar os blocos de rua e manter, a depender da situação epidemiológica, os desfiles das escolas de samba nos sambódromos com medidas sanitárias como diminuição de público e obrigação do uso de máscaras para público.